Diabetes em crianças: saiba quais alimentos devem ser evitados

Atualizado: 20 de out.

De acordo com a última edição do Atlas da Diabetes, divulgada em 2021, o Brasil é hoje o terceiro país com o maior número de casos de crianças e adolescentes, na faixa etária de 0 a 19 anos, diagnosticadas com diabetes. Ao todo, são mais de 92 mil pessoas, atrás apenas da Índia (com quase 230 mil casos) e dos Estados Unidos (com cerca de 160 mil casos).

E apesar da Diabetes tipo 1 ter muita relação com fatores genéticos, os pesquisadores afirmam que o contato cada vez mais precoce das crianças com alimentos que possuem altos teores de açúcar, corantes e conservantes, também tem ajudado a deixar esses números cada vez mais alarmantes.


No entanto, a quantidade de informação em torno da doença segue sendo bastante escassa. Uma prova disso é que muita gente ainda enxerga a diabetes apenas como a doença em que a pessoa não pode comer açúcar, quando, na verdade, todo mundo - tendo diabetes ou não - ingere alguma quantidade de açúcar no seu dia a dia.


A questão aqui é prestar atenção nos três “Q”: qualidade, quantidade e quando. Isso porque muitos alimentos - pra não dizer a maioria deles - possuem açúcar. E excluir todos eles da nossa rotina é praticamente impossível.


Logo, é preciso aprender o quanto de açúcar pode ser encontrado em cada alimento para que possamos fazer escolhas adequadas e, com isso, manter os níveis da substância no sangue dentro de uma faixa considerada normal.


E é aqui que entra o planejamento alimentar e, em alguns casos, a orientação profissional. Felizmente, hoje já existe uma variedade incrível de alimentos saudáveis ​​que as crianças podem comer para satisfazer seus apetites e necessidades nutricionais, além de manter um bom controle de açúcar no sangue, sem afastá-las completamente do convívio com outras crianças e das experiências sociais típicas dessa fase da vida.


Vamos conhecer um pouco mais sobre cada grupo de alimentos e quais deles estão liberados para o cardápio diário dos pequenos? Confira abaixo:


Carboidratos

Aproveitando a definição presente no site diabetes.org.br, carboidratos são substâncias encontradas principalmente em alimentos de origem vegetal e que fornecem a maior parte da energia necessária para manutenção das nossas atividades corporais. Podem ser divididos em três tipos: açúcares, amido e fibras, sendo que os dois primeiros, após ingeridos, são rapidamente convertidos em glicose.


Ou seja, se a pessoa não come um doce tradicional, mas ingere muitos alimentos ricos em farinha branca, como pães e macarrão, por exemplo, também observará a piora dos seus índices de glicemia. Por isso é importante sempre optar pelos alimentos integrais. Mais pra frente nós vamos falar um pouco mais sobre eles.


Laticínios

São os alimentos lácteos, como queijo, iogurte e leite, fontes importantes de cálcio, potássio e proteína, mas que também não estão isentos de carboidrato. Neste caso, priorize itens com baixas taxas de gordura e, preferencialmente, sem açúcar de adição. Uma boa dica para aumentar a palatabilidade do produto é saborizar o leite ou o iogurte das crianças em casa, usando frutas naturais.


Frutas

Apesar de ricas em açúcar (frutose) toda fruta é boa e deve ser incluída na dieta de uma criança com diabetes. Só é preciso cuidado para que esse consumo não seja muito exagerado. Além disso, embora o suco não ofereça todos os nutrientes e fibras que uma criança pode obter através da fruta inteira, se ele for natural e sem adição de açúcar também pode ser incluído em um contexto de alimentação saudável em quantidades limitadas, eventualmente.


Vegetais

Esse é o grupo de alimentos que encontra mais resistência por parte das crianças. Mas é importante que ele esteja presente em todas as refeições. Pepinos, aipo, brócolis e couve-flor podem ser cortados em pedaços pequenos, tornando-os excelentes opções para lanches. Legumes frescos também podem ser combinados com molhos caseiros como homus e guacamole, deixando o sabor mais interessante para os pequenos.


Lembrando que a maioria dos vegetais tem uma contagem de carboidratos bastante baixa. Por exemplo, 100g de pepino cortado tem cerca de 2 g de carboidrato e uma xícara de tomate cereja tem cerca de 6 g. A exceção são os vegetais ricos em amido, que contêm níveis significativamente mais altos de carboidratos e sobre os quais falaremos abaixo.


Vegetais amiláceos

Vegetais ricos em amido – como batatas, milho, abóbora e ervilhas – contêm uma contagem de carboidratos mais alta do que outros vegetais, cerca de 15 g por porção de 1/2 xícara. Por esta razão, eles são tratados de forma diferente de outros vegetais no planejamento nutricional para crianças diabéticas.


Já feijões e lentilhas, embora possuam uma quantidade maior de carboidratos, fornecem fibra solúvel que é muito necessária para as crianças, pois retarda a digestão e ajuda a evitar grandes picos de açúcar no sangue depois de comer.


Proteínas

As carnes não contêm carboidratos, portanto, não aumentam o açúcar no sangue. Aqui, vale optar por carnes brancas e magras como o frango e o peixe, ou mesmo por uma carne bovina de boa qualidade para ajudar a manter a ingestão de gordura saturada baixa. Já os alimentos proteicos à base de plantas contêm carboidratos em quantidades variadas e é preciso estar atento aos rótulos.


Além disso, se a criança não tem alergias, nozes, castanhas e amendoins podem ser adições saudáveis ​​à sua dieta para diabetes, pois contêm níveis relativamente baixos de carboidratos por porção e fornecem fibras saudáveis. O tofu é outra boa opção de proteína para crianças diabéticas, assim como os queijos com baixo teor de gordura e os ovos.


Grãos

Fornecem carboidratos e quantidades variáveis ​​de fibra. Os grãos integrais, inclusive, devem representar pelo menos metade da ingestão diária total de grãos da criança. Aveia, pipoca, quinoa, pães integrais e cereais são boas opções. Combinar um grão integral, como quinoa, com a comida favorita de uma criança, como frango, pode ajudar a aumentar a ingestão e a aceitação dos grãos integrais. Vale a tentativa.


Doces

Crianças com diabetes querem ser como as outras crianças. Isso é inevitável. Por isso, saiba que, ocasionalmente, você precisará permitir que ela coma uma porção de doces. Para que isso seja possível, o planejamento é essencial. Nessas ocasiões, os doces devem ser incluídos na contagem diária de carboidratos e o açúcar no sangue monitorado de perto.


Lembre-se, crianças com diabetes, sejam elas tipo 1 ou tipo 2, precisam ter um acompanhamento individualizado sempre que possível. Isso porque diversas modificações na dieta podem ser necessárias dependendo do peso, crescimento, idade e nível de atividade dela.


Vale aqui, ressaltar também, a importância da atividade física para as crianças, ainda mais para as que possuem diabetes, pois é uma outra forma do organismo utilizar a glicose. Não deixe de verificar com um profissional habilitado qual atividade é indicada para o(a) pequeno (a).


Por fim, sempre procure uma nutricionista infantil caso seu filho seja diagnosticado com diabetes e surjam dúvidas sobre quais alimentos são apropriados para ele. O tempo e o planejamento das refeições são ferramentas essenciais para controlar os níveis de açúcar no sangue da criança e garantir que ela cresça saudável.


0 comentário